7 de nov de 2014

Delfim Netto: governo destruiu a indústria e tem que reconstruí-la

Shot 001

Folha - Qual é a leitura econômica do resultado da eleição?
Delfim Netto - A presidente Dilma recebeu um voto de confiança. O que o Brasil quer está na Constituição de 1988: uma sociedade em que haja plena liberdade de iniciativa e exista uma política consciente de aumento da igualdade de oportunidades.

A vida do cidadão tem que ser menos dependente do lugar onde ele nasceu. E o Brasil quer uma sociedade em que aqueles que não tiveram a sorte de ter encontrado seu caminho sejam assistidos e preparados para viver sua vida com dignidade.

E os eleitores de Aécio Neves?
Na minha opinião, um problema sério prejudicou Aécio. Ele foi apoiado por um grande número de pessoas com preconceito gigantesco. É o sujeito que diz: "Eu me fiz por conta própria, eu trabalhei, eu estudei. Não fui como esses vagabundos". O que é um equívoco monumental.

As pessoas entendem. O sujeito que está hoje recebendo o Bolsa Família ou com o programa Minha Casa Minha Vida ou sendo beneficiado pelo ProUni pensa o seguinte: "Isso é contra mim".

Qual deveria ser a preocupação número 1 da presidente?
A preocupação número 1 deve ser o seguinte: por que caiu o crescimento econômico brasileiro? Caiu porque murchou a indústria nacional. Por que murchou a indústria nacional? Porque há 40 anos ninguém olha o setor externo. Se você não expandir a economia, a inclusão social vai morrer, vai estagnar.

Você tirou da indústria as condições competitivas. A política cambial foi uma tragédia ao longo desse período.

E continua. Neste momento, ela precisa apresentar um programa coerente de como vai restabelecer a competitividade do setor industrial.

Como deve ser o programa?
Passa por muitas coisas. Primeiro, a compreensão de que política industrial não é cortar importação. Política industrial é formular um programa que reconheça que a importação é um fator de produção tão importante quanto a mão de obra e o capital, que é um fator decisivo para aumentar a produtividade da exportação, e que reconheça que estamos longe das cadeias produtivas por anos de abandono da exportação.

Das 500 maiores multinacionais, 400 estão no Brasil. Você precisa de um diálogo é com essa gente. Para saber o seguinte: o que você precisa para voltar a exportar do Brasil? Mas não pode fazer isso reduzindo o lucro delas.

O governo tem de tentar respeitar o sistema de preços, que é a melhor forma de alocação dos fatores de produção e do consumo.

O atual governo respeitou o sistema de preços?
Claramente não. Mesmo porque as ajudas pontuais não estavam ajudando a indústria coisa nenhuma.

A indústria estava sendo destruída por uma valorização do câmbio que primeiro roubou sua demanda externa, depois roubou a interna.

O que falta então?
Tem que reconhecer: eu destruí um setor e vou reconstruí-lo.

Ponto final.

Na minha opinião, não precisa conversar com ninguém. Tem que apresentar um programa bom e transparente.

O senhor falou na necessidade de diálogo com as múltis.
Eu não vou me integrar nas cadeias produtivas se eu não convencer as múltis de que eu quero ser parte delas. Mas, quando fizer isso, eu preciso dar garantia para elas de que vou respeitar nossos contratos, que não vou fazer nenhuma política cambial devastadora para combater a inflação e impedir que elas continuem exportando.

Não vou exigir delas que tenham um conteúdo nacional muito superior àquele que dê para elas a melhor produtividade.

O atual governo cometeu esses erros?
Acho que se criou uma distância entre o setor privado produtivo e o governo. No fundo, o setor privado produtivo achava que a Dilma era uma trotskista enrustida e ela achava que se trata de um bando de idiotas. Então, é muito difícil você ter feito um acordo.

2015 vai ser um ano difícil?
Vamos ter de ajustar. A situação do Brasil é desconfortável, mas não é apocalíptica. Na parte fiscal, inclusive em resposta à recessão que estamos vivendo, você ampliou o deficit nominal. Você praticamente eliminou o superavit primário e está assistindo pela primeira vez a um pequeno aumento da relação entre dívida e PIB [Produto Interno Bruto] bruta.

Aqui você tem um problema sério. Você tem de fazer um programa para evitar o pior, que seria o rebaixamento do grau de investimento. Isso aumentaria todos os custos externos. Seria uma tragédia.

Qual tem de ser o perfil do próximo ministro da Fazenda?
Não é preciso ser nenhum gênio. Tem de ser alguém que conheça o Brasil, que saiba operar e que tenha capacidade de se cercar de algumas pessoas competentes.

É uma injustiça pensar que o Guido [Mantega, ministro da Fazenda] é responsável por tudo isso que está aí. O Guido foi um instrumento do partido [PT].

A presidente é a ministra da Fazenda e do Planejamento e do Transporte e da Segurança Nacional e de tudo. Ela é absolutamente honesta e extremamente atenta. De forma que, de fato, o Brasil voltou a trabalhar das 7h às 23h. Agora, ela é centralizadora. Houve alguns equívocos. Mas está na mão dela consertar isso.